quinta-feira, 27 de março de 2008

Cidade de caipiras

Moro em Londrina há pouco mais de três anos. Antes, nasci e morei 15 anos da minha vida numa cidade de caipiras, Ourinhos. Cansei da pobretada que queria ser rico e dos ricos que fingiam ser pobres; cansei das idéias pequenas e das brincadeiras caipiras; cansei da moda de vasculhar a vida alheia; cansei de "reggaeiros" fedidos com cabelos sem lavar e de todos os grupinhos "alternativos". Sem modéstia, me achava grande demais para aquela cidade. Vim, por conta própria, pra Londrina e morei, praticamente, sozinho por quase um ano. Fiquei maravilhado com a disparidade por muito tempo. Conheci pessoas racionais e muitas com gostos parecidos com os meus... num ano em Londrina, me senti mais em casa do que quinze em Ourinhos.
Hoje, tenho algumas pessoas com quem posso conversar racionalmente. Poucas, mas é melhor do que nenhuma como em Ourinhos. Acontece que estou me cansando daqui como cansei de Ourinhos, mas por outros motivos.
A falta de respeito ao trânsito está cada vez pior! Antes, me atropelavam e paravam para ver como eu estava. Depois, atropelavam e saiam correndo. Hoje, atropelam, buzinam e xingam quando eles mesmos estão errados. Ainda hoje, uma vadia furou a preferencial e quase me jogou na calçada mas, dessa vez, não tive pedras para quebrar seu carro, porém, penso em andar com algumas no bolso.
Estou numa busca insana pelo lugar que me atend bem, mesmo sujo e fedido. Não que eu ande assim, mas quero dizer que o atendimento depende diretamente de como está estéticamente. Fui mal atendido no Arnaldo's (pedi uma cerveja e o viado gritou que não tinha cerveja), no Rei do Mate (fiquei 5 minutos cara-a-cara com a balconista, numa esperança inútil que ela me atendesse) e em muitos outros lugares.
Hoje à tarde, sai com minha amiga para tomarmos café no Frans Café. Ok, ela me acordou umas 4:45 e eu estava com muito calor, então, fui de bermuda, havaianas e mal penteado. Lá, não teve um instante que uma certa garçonete passou por nossa mesa e não ficou me secando com cara de vagabunda. Após mais de duas horas conversando e comendo, a certa garçonete nos expulsou indiretamente perguntando se íamos pedir mais alguma coisa.
Eu digo que são todos uns caipiras! Mesmo que eu tenha dinheiro para comprar o estabelecimento todo, não basta! Devo deixar bem claro que sou rico se quero atendimento decente... deplorável! Você se sente mais puto quando você sai do Brasil e vai para qualquer lugar nobre. No Canadá, os atendentes são tão simpáticos quanto os habitantes do país. Eles percebem que é turista e falam, por educação, um inglês mais polido e compreensível. Poderia ter chego de sunga num pub canadense e seria tão bem atendido quanto o presidente.
Quando eu explodir, começarei a quebrar janelas de carros e a denunciar certos funcionários a seus patrões. Onde será que, no Brasil, existe um restaurante, fast-food ou cafeteria onde os funcionários não se prendam a padrões estéticos? Chega de gente caipira numa cidade que é quase metrópole.

Dois exemplos de atendimentos recentes:

Habibs.
O fast-food já famoso pelo seu atendimento leviano. Nunca vi alguém falar bem do atendimento daquele maldito lugar. E eles ainda ganham dinheiro. Existem duas coisas de lá que gosto muito: a esfirra e o beirute. Esfirras de carne e frango são ótimas, as de queijo são horríveis. O beirute era enorme e saboroso. Antes, eu justificava por terem esfirras bem baratinhas e terem um beirute enorme, porém, o preço da esfirra já aumentou demais e, dia desses, pedi um beirute e, para minha surpresa, veio bem menor e numa bandeja engordurada. Agora eles ganham dinheiro como? Aumentando os preços, diminuindo a qualidade, pagando mal os funcionários e cortando gastos com higiene?

Café das Livrarias Porto.
Um lugar que tem tudo para ser bem freqüentado (não levando em conta o povão que habita o shopping Catuaí). Uma livraria, um ambiente agradável. Ambiente que perde toda sua qualidade quando resolvemos tomar um café enquanto lemos.
Adoro café, odeio adoçá-lo. Sabendo disso, sempre pedi (inutilmente) para a mocinha trazer meu café adoçado. Ele nunca veio adoçado. Pensei: "Talvez seus cérebros limitados não processem a informação 'adoçe meu café' pois não é praxe fazê-lo", então, perguntei: "Pode trazer meu café adoçado?" e ela disse que sim, ao que eu disse: "Então, pro favor, traga". Mas, mais uma vez, meu café veio sem açúcar. Desisti.
Na penúltima vez que fui, percebi que tinham colocado uma fita isolante no preço do "chantilly". Pedi o de sempre: capuccino quente e grande com chantilly. Ela me disse que o chantilly era de graça. Pedi com chantilly.
Na última vez que fui, não mais existia fita sobre o preço, perguntei: "Mocinha, vocês voltaram a cobrar pelo chantilly" e, com a maior cara-de-pau, me respondeu: "Sempre foi assim". Me subiu uma ira mas minha namorada me olhou feio e precisei me controlar. Aí o café chegou. Sem chantilly. Fui reclamar e colocaram meu chantilly. Saindo para pagar, não cobraram o chantilly... Desisto! Não entendo essa organização.

Não falei dos pé-rapados que habitam o Shopping Catuaí. Dia desses, roubaram meu celular de 100 reais. Tem que ser muito miserável para roubar um celular de 100 reais. Entretanto, esse problema se resolverá em breve com a inauguração do Shopping da Zona Norte, um shopping dos mesmos donos do Catuaí, e quase tão grande quanto. Ótimo! A ralé do Cincão e suas bandas ficarão mocados por lá, enquanto as pessoas de bem, voltam a fazer compras no Catuaí. Só faltam soluções para os outros problemas. Veremos até quando agüentarei.

----------------
Now playing: After Forever - Victim of Choices

6 comentários:

Likaaa* disse...

nossa, atendimento do habbibs é horrível... faz um ano que não como lá, mas da última vez me arrependi tanto...
o lance do chantilly da porto, éé, eu vi, e deu raiva mesmo.
mas invariavelmente te tratarão bem só daquela vez... as atendentes não marcam rostos de frequentadores pra pelo menos ter credibilidade (mas eu marquei o rosto de uma loira q atende mto porcamente, há).
cafés da parte central são atendidos por moças da periferia. Como não os donos não parecem se importar em fiscalizar o atendimento, sairia uma merda, mesmo...
nah, Londrina é uma boa cidade em certos aspectos, mas a população...
é oq vc vai encontrar em quase todo lugar dentro do brasil... infelizmente u_u"
bom post, Löki
;*

Rafa roludissimo disse...

é lóóókii

EAHUUauHUE

americanas tb
uma vez veio uma filha da puta la q fika arrumando as merda da prateleira
e fiko me seguindo pra ve se eu nao robava nada
-.-

EHUAHUEHUuhaE
eles nao devem ter metodos eficases pra controla o roubo de mercadorias
dai precisam te seguir
=D
beeela alternativa

Home Theater disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Home Theater, I hope you enjoy. The address is http://home-theater-brasil.blogspot.com. A hug.

Chico disse...

Você não se importa com muita coisa.

Não se importa com sermão de diretora.

Não se importe com isso também, ora. 8D

Pensa assim: podia ser pior. Podia não ter o café-com-chantilly-cobrado-ou-não, podia não ter nem o Habib's. Ao menos o povo daqui finge que não é caipira, ora.

Always look at the bright side of life. (8)

Carai, isso ficou muito auto-ajuda.
Fazeroquê.

Chico disse...

Ah é, esqueci de comentar o que eu vim aqui comentar.
"A ralé do Cincão e suas bandas ficarão mocados por lá, enquanto as pessoas de bem, voltam a fazer compras no Catuaí. Só faltam soluções para os outros problemas. Veremos até quando agüentarei."

- pessoas de bem?

Anônimo disse...

Caipira é você seu bundão de merda, Ourinhos é uma bela cidade com gente honesta e trabalhadora, portanto admita a sua personalidade anti social. seu FDP.