segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Primeiro dia de aula

Música do dia: After Forever - Sins of Idealism

Eu acordei de mal humor como havia previsto. Não foi bem uma previsão gloriosa porque eu já me conheço o suficiente. Acontece que dormi pouco porque dormi com aquela responsabilidade de não poder perder a hora. Não perco, mas durmo mal por isso.
Sim, primeiro dia de aula. Desanimador por inúmeros motivos, estes quais não pretendo citar.
Nada de interessante na aula, nada.

Para a tarde, marcaram reunião com o pessoal do projeto do ano passado. Acontece o seguinte: ano passado, fizemos um projeto social que concorreu ao prêmio "Construindo a Nação" e, merecidamente, ganhamos o primeiro lugar. Acontece que a reunião de hoje foi uma convocação sem aviso sobre o que se trataria. Peguei chuva, almocei rápido e ainda assim, cheguei pouco atrasado, mas valeu a pena.
Deveriam ser escolhidos dez alunos, dentre os quinze, para representar o projeto em Curitiba. Como ninguém é bobo nem nada, todos queriam ir, mas nem todos poderiam. Como ficamos sabendo desse incômodo ao chegar lá (antes achávamos que todos iriam), a reunião de hoje era uma espécie de teste para ver quem estava realmente interessado na coisa, além de uma avaliação pessoal e uma discreta votação aberta.
Votação aberta pode ser difícil aos fracos, não pra mim. O professor coordenador do projeto ressaltou o ideal de votarem naqueles que julgavam os mais interessados na coisa toda, ao invés de votarem por amizade. Mas, sejamos francos, que diabo de adolescente tem ideal de justiça hoje em dia? Quase ninguém tem, as pessoas ignoram a justiça quando ela não traz benefícios pras mesmas. Ok, houveram votos para favorecer amigos e, por pouco, não fico de fora. Claro, não sou "queridinho" do colégio e, de fato, algumas pessoas não vão com minha cara.
Fui o mais justo que consegui, prova disso é que votei em duas pessoas que já não tinham votado em mim, sem nenhum tipo de ressentimento, e são pessoas que sequer tenho afeição.. bem menos afeição que tenho com algumas que deixei de votar mas que julguei menos interessadas. Bom, meu ideal de justiça é psicótico e não vou obrigar as pessoas a serem iguais a mim e isso não é o ponto. O ponto é que adorei ter feito o projeto e, mais do que muitos imaginam, trabalhei pra burro e me interessei por essa coisa, não em prêmio ou viagem (afinal, eu sempre vou à Curitiba), mas por achar útil. Mas me sinto orgulhoso por ter recebido o mérito de um trabalho assim, me sinto merecedor e número de votos só significa que as pessoas.. ah, deixa pra lá. Importante é que me senti bem com tudo isso e não quero imaginar o barraco que eu armaria se eu não fosse selecionado. Não pela viagem, mas pelo peso de méritos e deméritos e comparações com outros, obviamente, eu estou dentro dos dez, por justiça pura.
Ok, ok, chega de ser chato. Vou pra Curitiba!

2 comentários:

Likaaa* disse...

aeuaheuahe nossa, votações abertas sempre têm esses tipos de favorecimento a amigos. NINGUÉM pensa muito no que é justo, e quem pensa geralmente é considerado traidor da amizade ou qq coisa louca assim
mas você conseguiu mesmo assim!
parabéns, lokão!!
auehauehauh
devendo agora comentários sobre sua estada em curitiba
;*

Rafa roludo disse...

:B