segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Video Games Live 2007

Música do Dia: Civilization 4 - Baba Yet

A VIAGEM
Saímos de Londrina às 7h da manhã e com algumas paradas pelo caminho, fomos chegar em São Paulo aproximadamente às 4:00 da tarde. Às 5 horas já estávamos todos em frente à Via Funchal e eu ganhei um chapéu de Urahara do Dann, Dani e Gabriel. Eles passaram na Liba, que inveja!Chapéu em questão
Antes de começar o evento, fomos pro Shopping Morumbi, onde tive direito a esporro de otaku. Enquanto eu andava calmamente pelo shopping, um paulistano de uns 15 anos vinha se aproximando de mim com expressão facil de como se me conhecesse. A princípio, achei tratar-se de um engano, de que ele viria me comprimentar confundindo-me com um conhecido, mas não foi isso. Ele chegou e perguntou se meu chapéu era do Urahara (foto à direita), disse que sim e ele disse: "Você tá usando errado, é com o "Y" pra frente". E saiu andando. Sim, sei que o número de otakus otários de lá para aqui é igualmente proporcional ao número de habitantes, mas havia me esquecido de vários acontecimentos "otakais" de minhas AnimeFriends. Não esperava encontrar um verme em pleno shopping, muito menos tomar um esporro. Como eu disse, ele devia ter acabado de tomar um fora de sua japinha kawaii preferida, ter se deprimido e tocado uma para um fanfic hentai da Mai Shiranui e, após ter recuperado seu orgulho otaku, foi passear ao shopping para demonstrar o quanto ele é mais entendido de animes do que os outros seres. Deprimente.
Danniel e Gabriel foram embora antes do fim do evento por causa do horário das passagens. Fiquei até o final e, após o evento, ainda fui ao Burguer King detonar um Stacker duplo com batata e Nestea infinito. Saímos de lá na segunda às 11 da manhã e chegamos aqui lá pelas 5:30 da tarde, devido a atrasos das paradas na estrada.


GAME & GAME MUSIC
A primeira reação comum ao se dizer "videogame", é uma "torcida-de-nariz" acompanhada de um ar de desprezo e superioridade. Brasil, um país onde o valor de quem entende de novela é superior ao de um entendedor de cinema, assim como o valor de um apreciador de funk e/ou psy para um de game music.
O videogame foi criado durante a Guerra Fria, como um dos motivos, dar a impressão às pessoas de possuir algum controle sobre a situação - algo que, na guerra, seria impossível. É mais uma das invenções criadas graças às guerras e que consideremados indispensáveis sem ao menos saber suas origens. Exemplo: submarino, avião, internet, fogão, computador domiciliar, etc. Mais tarde, foi dada ênfase aos games de treino para soldados do exército, talvez um dos motivos para que para alguns, videogame tenha o desmérito da posse da alcunha "violento".
De acordo com o dicionário, "ignorância" significa, entre outras coisas, "falta de saber, de ciência", logo, receber uma expressão de desprezo após ter tocado no assunto "videogame" com alguém claramente desentendido do assunto, significa estar conversando com um ignorante. Veja bem, só estou seguindo o dicionário. Alguém que não entende sobre um assunto é ignorante no mesmo, assim, deveria não falar sobre. Mal de brasileiro: desprezar/criticar o que não conhece/entende. É fato que acontece não só com videogames mas com muito mais coisas.
Digo tudo isso porque sei e vivo cada dia
mais a ignorância das pessoas, fato que me deixa entristecido.
Como disse Tommy Talarico, ao início do evento deste ano, algumas pessoas acham que música de videogame, ou seja, game musics, não passam de "bloops" e "blips". Ir à uma orquestra sinfônica de game musics, significa infantilidade para muitas pessoas. Sim, não só para a massa ignorante assumida do país, mas também aos não assumidos, conhecidos também como pseudo-intelectuais, aqueles que posam de intelectuais e críticos a todos os assuntos, mas não sabem nem do que estão falando. Possuem o maior poder de enrolação sem argumentos concretos que existe.


O EVENTO
Alguns pontos positivos e outros negativos quanto ao evento do ano anterior. Para minha alegria, são mais positivos.
Orquestra Sinfônica da Petrobrás
, a melhor orquestra do Brasil, uma honra. Para a orquestra que toca clássicos de grandes compositores japoneses e para a platéia, que tem o prazer de ouvir os clássicos atavés da melhor orquestra nacional.
Este ano, abusaram mais do já querido ao público, Martin Leung (foto). O coreando que ficou famoso pelo vídeo "videogame pianist" do Youtube, onde o mesmo tocara músicas dos clássicos Mario Bros e Mario World numa velocidade e sincronia incríveis. Este ano, simplesmente tocou "Radical Dreamers - Without Taking the Jewel", música preferida de meu compositor preferido, só faltou mesmo ser de meu jogo preferido, Chrono Trigger. Porém foi de seu sucessor, Chrono Cross, que tem a trilha toda composta pelo mestre Yasunori Mitsuda. Óbviamente, preferiria a música nas mãos da orquestra, mas ouví-la no piano não impediu que uma lágrima corresse meu rosto durante a música.
Algumas músicas se repetiram, porém muito melhores. A superioridade deste coral para com o do ano anterior é clara. Liberi Fatali, Baba Yetu e One Winged Angel, três das músicas repetidas, estavam notávelmente melhores.
Clássicas de Mario e Sonic não faltaram, Metal Gear Solid e World of Warcraft novem
ente e contamos com algumas coisas a mais como maior repertório de Martin Leung, a inesperada aparição de um brasileiro que toca músicas de Mario no violão e, claro, músicas novas como a de Halo 3 e Starcraft II. Aparentemente, acabaria com a música de Halo, ou foi isso que quiseram demonstrar. Acredito que muita gente estava perdendo as esperanças quanto ao gran-finale de One Winged Angel. Uma brincadeira apenas, óbviamente o clássico dos clássicos teve de ser tocado para encerrar, e foi o ponto inferior ao ano passado. Esta música é como a marca da VGL no Brasil, como a música tema para todo gamer conhecedor de RPG. Uma música séria e imponente que foi desvalorizada completamente. Este ano, a música foi tocada com um playback de guitarra ao fundo e, para piorar, com as gracinhas de Tommy Talarico e sua air guitar. Como se não bastasse, o próprio Tommy iniciou o ciclo de palmas rítmicas coordenadas no meio da música. Idiota. O grande clássico virou uma anedota, uma músiquinha para ser assoviada, não mais o clássico digno de uma orquestra. Espero com fé, que em 2008 cortem essa palhaçada.
Para os que continuam achando que videogame se resume a barulhos irritantes, vale a pena assistir o encerramente do evento:


video
VGL SP 2007: Final Fantasy VII - One Winged Angel


E ignorem o sujeito ao centro do palco.

3 comentários:

tammy disse...

ESSE CHAPÉU É MUUUUUIO CARA DE LÖKI
AEIAUHEAIUHEAHEUIAH
O Y PRA FRENTE EM LOKI XD
AEUIAHEAUHEAUIEH
cara estranho xD iauehauheah
quero ver vc com esse chaaapéu ;;D
aehaiheaueua
beeeijo maridooo :*

Claudia Rinoa disse...

O coral realmente foi BEM melhor do que do ano passado e Radical Dreamers arrasou!!
Ah, tenho que discordar qnt a One Winged Angel, eu gostei com a guitarra porque ficou próxima à versão do filme Advent Children, que curto bastante. Mas digamos que o Tommy "sobrou" na música mesmo =P

Igor disse...

Nossa, esse evento e mto loko em ...
Gostei pra carambab dessa orquestra e do coreano pelos vídeos q vi xD
Vamo vê se ano q vem eu vo

Flw ae loki